T

Em pouco tempo, vi nos teus olhos o sentimento a ir embora, o teu abraço já não tinha a mesma força e o teu beijo já não se encaixava no meu com a mesma intensidade. Vi o teu sorriso a fugir e senti que não era mais o meu lugar e não eram mais os meus lábios que querias beijar e doeu. Aliás, ainda dói.
Foram dias e noites, há risos e sorrisos que passam na minha mente a todo o momento, os beijos e abraços que ainda me arrepiam ao lembrar, todas as brincadeiras como duas crianças, as nossas conversas aleatórias e sabes o que me custa mais ? Eu vivi tudo isso sozinha, vivi uma relação de mentira onde sonhei e construí planos e imaginei uma vida a teu lado, senti borboletas a invadirem cada canto meu mas vivi sozinha e dói. Dói porque eu sabia mais do que queria e menos de que precisava e aguentei mais do que esperava. Não acabei em vão, muito menos porque queria, deixei te quando senti que o teu respeito por mim falhou, quando outra pessoa te levou para longe da nossa relação mas, acima de tudo quando a mentira foi a tua melhor solução para encobrir. Tu nunca vais entender o que senti e sinto, a mágoa a revolta que há em mim, porque eu não faria isso contigo e tu no fundo sabes tao bem disso. Hoje, só quero esquecer e por mais improvável que seja que os nossos caminhos não se voltem a cruzar, que a mínima distância que existe entre nós seja incompatível com as horas e os lugares. Hoje, eu não quero qualquer tipo de contacto contigo, quero-te longe de mim, da minha vida e de qualquer sonho e plano meu. Quero-te feliz, mas longe.

Não és

Descobri que afinal não és tanto assim, eu é que te via desse jeito incrível. Tu não sabes o quanto eu te amava e infelizmente amo, quando a dor do outro não te toca, diz muito sobre ti, quando a vitória do outro não te faz aplaudir, algo também está errado dentro de ti e quando o esforço do outro por ti te é indiferente, está tudo explicado. Deixa me contar te, eu perdi tempo contigo, a minha ansiedade voltou, a minha vida de certa forma parou no tempo, mas tu acabaste de perder alguém que te amava, mas isso pouco te importa não é ? A tua vida sempre foi isso, cheia de pessoas temporárias e descartáveis, tu fazes da tua vida um jogo, onde tu apertas o play com intenções já estudadas e acabas por dar game over quando não te agrada mas no entanto já está outro jogo a meio, para não perderes tempo nem vidas. Uma vida carregada de pessoas vazias sem qualquer ideia de futuro mas isso para ti ? É a vida perfeita, é aquela que te preenche e te dá gozo para víver sem nunca te sentires só. Tu não sabes ser só, nunca terás tempo de descobrir o que é.
O engraçado no meio de tudo isto, eu fui avisada sobre ti, mas fugi de tudo o que eu ouvia para permanecer ao teu lado na esperança de olhar todas essas pessoas e mostrar como estavam erradas mas no fim deste jogo eu descobro que todas as pessoas afinal tinham razão, incrível não é ? Mas eu fui até ao fim e posso me ter perdido, mas eu caí com dignidade coisa que não faz parte do teu vocabulário, eu caí com certezas que a tua vida é o lugar que não quero mais pertencer, que o teu sorriso não volto a beijar e o teu abraço não quero mais sentir.
Mas quem sou eu para te julgar deve ser a tua pergunta neste momento. Mas eu respondo te, de coração aberto, sou aquela que tu dizias amar, aquela que enganavas, aquela a quem escondias tanto mas tanto, aquela que se entregou e se deixou levar e acabaste por iludir,mentir e trair foram tantas mentiras, que metade tu nem imaginas que eu sei e sinceramente nunca vais saber. É por isso e muito mais que tu não és tanto assim.
Hoje os nossos caminhos voltaram a cruzar se, acho incrível a tua insensibilidade de me quereres cumprimentar como se nada tivesse acontecido, como se fosse apenas uma amizade que tivesse sido abalada. Mas o teu estilo de vida nunca te irá permitir entender o estado em que me deixaste, a forma como reviraste a minha vida e tudo o que eu senti quando finalmente te perdi. Alias eu não perdi, eu nunca tive. E se algum dia tive, então eu livrei. Dói não posso negar e vai continuar a doer até passar, mas eu levo a minha consciência tranquila e a certeza que afinal não és tanto assim.

Tenho saudades tuas, saudades de te acordar de manhã e ouvir a tua voz, de te ajudar a levantar e fazer-te o pequeno almoço. Tenho saudades da tua casa, do teu quarto, do sofá e do teu colo.
Tenho saudades das nossas conversas, do teu sorriso, das nossas fotografias e de todas as tuas histórias, tinhas sempre tanto para contar. E eu sinto tanto a tua falta. Tenho saudades da tua teimosia, do teu riso a cada patetice minha, do teu olhar atento, são pormenores que o vento não leva e o tempo não faz esquecer.
Os dias passam e “saudade” é a palavra do dia. Não há um dia que não me lembre de ti, do quanto me fizeste feliz e de como fui sou e serei grata toda a vida por todo esse amor, carinho, cuidado e proteção. Tinhas um jeito tão único de cuidar de mim, uma preocupação infinita e um amor que tenho a certeza que mais ninguém terá, eras tu e esse teu coração.
Tenho saudades tuas, saudades de como adoravas o meu cabelo, do teu toque na minha mão, da tua cabeça no meu ombro e “és bonita, és parecida com o pai”. E eu sinto tanto a tua falta. A tua voz ainda faz eco na minha mente…
Embora tudo esteja turvo e confuso eu estou a aprender a viver sem ti, é uma luta diária vai ser sempre mas, sigo as curvas e contra curvas da linha da vida. Os dias nem sempre são fáceis e as noites, muito menos. Embora me deite e lamente a tua partida, eu acordo e agradeço por mais um dia porque, infelizmente a vida segue. Infelizmente, segue sem ti. A tua partida tem um sabor amargo de saudade. E eu sinto tanto a tua falta.
Que um dia eu consiga ser para os meus, metade daquilo que foste para mim. Tenho a certeza que serão tão felizes!
Amo-te muito 🖤⭐

Lembra te

Lembra te
Das noites que discutiamos e não adormeciamos sem fazer as pazes, eram as palavras que trocavamos que tocavam, eram as músicas que aleatoriamente metiamos que nos levavam, eram os sorrisos que trocavamos que evitavam a vontade de nos afastar-nos. Era tudo isso.
Lembra-te
Dos dias que acordavamos lado a lado na certeza que conseguíamos enfrentar mais um dia e que o passado não nos levaria para longe.
Lembra te
Das tardes no sofá, onde a manta branca e preta sabia tudo sobre nós, dos filmes e das séries sem graça, das pipocas e gordices inevitáveis às saladas e pseudo dietas, do cigarro depois de um momento daqueles, em que os nossos corpos se conheciam tão bem e as nossas bocas se encaixavam na perfeição.
Lembra te
Das guerras de almofadas e do pequeno-almoço à cama, das flores e do chocolate num dia aleatório, dos jantares em casa como se vivêssemos em Las Vegas e das sessões de cinema.
Lembra te
Das directas e do banho às 06h, porque o trabalho chamava por nós. Da escolha da roupa. Das olheiras, dos sorrisos, do esforço e dedicação dia após dia. Das chamadas de vídeo, dos áudios em qualquer espaço do dia.


Lembra te … eu amo-te!

Um mês

E um mês passou. É um desafio viver com a tua ausência, é um silêncio que incomoda, que me tira o sossego e me deixa sem rumo.
A cabeça sabe mas o coração não aceita. As manhãs são diferentes, as tardes não têm mais as tuas aventuras de tudo fora do sítio, ‘malas’ feitas e tentativas de fuga, as noites ja não têm mais luzes acesas e as incertezas e os medos já não existem mais.
Estás no meu pensamento dia após dia, mas é no silêncio da noite que o mundo desaba, que a vida me dá a chapada e a lágrima cai, porque…a ficha ainda não caiu. Embora saiba, continuo sem querer acreditar. Os dias têm sido mais escuros sem ti, a vida tem sido tão ‘tanto faz’, existe um vazio e um desgosto em mim que ninguém tem noção.
Tu e só tu sabes a falta que me fazes, as saudades que tenho tuas e como tem sido a minha vida sem a tua presença. Passaste de um porto de abrigo na terra, a meu anjo da guarda no céu. A estrelinha mais brilhante que todas as noites, eu olho e agradeço a protecção, o cuidado, a dedicação e o todo o tempo que me dedicaste.
Não, não vou dizer que amanhã vai ser melhor, porque não vai, isso são frases feitas às quais não me encaixo, a vida não é nem será mais a mesma sem ti. Mas posso prometer te fazer os meus dias valer a pena, sorrir e agradecer a cada dia, como eu tenho a certeza que tu queres, com um sorriso na cara e fé na vida. Fazes me falta de uma forma absurda e sem ti? Ha realmente em mim um silêncio gigante que nunca conseguirei explicar a ninguém.
Palavras são tão poucas para te elogiar e agradecer tudo o que foste, és e serás na minha vida. Será que podemos voltar no tempo? Não, não quero mudar nada, apenas reviver. Reviver todos os dias que tive a sorte de te ver e de sorrirmos juntas, todas as manhãs que te pude acordar, todas as fotografias, todas as tuas histórias, todos os sorrisos e conversas que juntas partilhamos. Era só e tudo isso que eu queria.
Fazes me tanta falta, minha velhinha! É um até já ❤️

O amor

És o melhor e o pior do meu passado que levo para o futuro. Tive (tenho) saudades mas guardei, queria dizer-te tanto mas fiquei em silêncio. Tentei esquecer, mas nem um segundo eu superei a ausência absurda que ainda provocas em mim. É incrível como nem a distância leva o meu pensamento para longe de ti.
Sinto-te tão perto e tão longe. O perto é resumido a uns meros quilómetros mas o longe? Esse atira me ao chão, os nossos corações não se tocam mais, o destino quis que ficássemos lado a lado e tu no fundo sabes, mas as circunstâncias da vida não permitiram, o nosso passado acabou por nos levar a recta final num presente com um futuro garantido. Uma casa, dois filhos e todos os planos depois disso, todos os sonhos embalados que acabaram furados. Porquê?! Diz me porquê? Tenho saudades do que fui contigo, saudades até do que não foi, porque não permitimos.
Tu sabes, eu sei e nós sabíamos tão bem o que tínhamos pela frente se fossemos mais fortes, se a confiança fosse superior ao orgulho, se o amor fosse maior que os boatos, nós fomos nos perdendo entre cada obstáculo que nos aparecia, era um maior que o outro, constantemente! E nós…nós acabamos por nos deixar levar.
As discussões que tomaram conta dos nossos dias, as indirectas e acusações que nos matavam, os pedidos de desculpa em vão, o medo de te perder que me atormentava, os maços de cigarro esvaziavam e viraram companhia nas madrugadas sem ti, a troca de músicas para ver quem sentia e magoava mais, a ilusão que algo que poderia mudar…e o triste, é que tudo mudou. Mudou e nós não estamos mais.
O amor? O amor é para os fortes. Os que sabem o que querem, os que lutam mesmo na incerteza, os que seguem com a cabeça erguida e nem a própria sombra os assombra. O amor é para os fortes. Os que pedem perdão na hora certa, os que abraçam sem pedir, os que ficam sem incertezas.
O amor? O amor é para os fortes. E nós não fomos!

Esquecer a saudade

A saudade é grande mas a obrigação de esquecer é maior.
Mas, há dias que sentimos uma saudade que não tem explicação. Há dias que tudo o que nos cabe é simplesmente a saudade, seja daquele lugar, do olhar, do sorriso, da voz. Apenas saudades. Mas eu só preciso de apagar e esquecer tudo isso que um dia me fez tão feliz, bem mais daquilo que tinhas em mente.
E no meio de tanta saudade, as lágrimas caem. O desânimo chega. A cabeça acaba por viajar em memórias de momentos que não vão voltar. O coração acelera. O corpo sente e o olhar acaba por ficar ausente do mundo. E é por isso e muito mais que preciso esquecer, sinto-me na obrigação de esquecer. Por mim, por ti. Eu preciso!
Torna-se desafiante lidar com a saudade porque nem toda a gente compreende, é um sentimento tão nosso que é difícil explicar e partilhar com outro alguém. É o desafio mais oculto, é uma guerra interior.
E ela é tao cruel que aparece sem hora, sem momento definido, simplesmente aparece.
Sufoca quando a cabeça encosta na almofada e lá vem a saudade bater-me com o teu nome. Sufoca quando é preciso engolir o choro em momentos inoportunos. Sufoca quando algo me faz lembrar de ti. Sufoca quando ainda existem fotografias com o teu sorriso estampado. É um sufoco que não tem explicação e é tão tarde e tão cedo para me livrar de tudo isso. Mas eu preciso!
Eu só quero esquecer a saudade.

.

Tu “precisaste” ir embora porque talvez nunca quiseste ficar, para perdoares a ti mesma o amor que não me soubeste dar, pela falta de amor que alguém te deixou ficar,essa foi a força maior. Foi isso que te fez cansar. “Amares” para esqueceres quem não te soube amar. O teu cansaço ia mais além que o meu passado, que a minha relação anterior, a tua dor , as tuas lágrimas, o teu “cansaço” tinham outro nome. O passado era o teu, não o meu! Foi isso que nos fez quebrar, desviar o sentido, perder o rumo. Mas não o amor, não o meu. Esse nunca, eu prometi! Quiseste ir embora, mas agradeces tudo? No fundo isso sim, acaba por ser uma explicação. Também foste quem me fez durante noites e noites adormecer e acordar com um sorriso, ou até mesmo noites que poucos dormimos e aí eu pergunto e respondo, valeu a pena?! Nós sabemos que sim, no fundo sabemos disso. E após este tempo? Tu ainda és tudo. Mas eu guardo para mim. Não te procuro. Quero-te bem e feliz acima de tudo, porque eu sei o tamanho desse coração. Só o teu passado nos desviou de um presente que podia ter futuro, mas não te critico mais, não julgo. Hoje vejo-te noutra relação e se estiveres feliz? Estarei por ti. Já te guardei naquela caixinha, cheia de “amor” que um dia me ofereceste. Guardei e vou guardar para sempre. No fundo há uma esperança que possa viver tudo a teu lado, tudo de novo, uma vez, pela última vez e que possamos recordar tudo. Não te conto as saudades que tenho tuas, mas aprendi a lidar com elas. Acima de tudo com a distância do tão perto e tão longe que existe entre nós. Mas um dia? Tu vais ver que eu sempre estive aqui. Vou continuar aqui. Como estive todo este tempo e por meros segundos tu sabes disso.

Foste, és e serás para sempre o amor da minha vida!

Vou embora

Vou embora e não fica mais nada por dizer, fazer ou tentar. Vou embora porque preciso, independentemente do que possa vir a seguir ou até mesmo a saudade me bater, eu vou embora. Desta vez não vou olhar para trás, muito menos meter a emoção à frente da razão, não eu não tive nem tenho razão é um facto mas já me expliquei perante as minha falhas, já pedi desculpas por tudo o que passou e até pelo que poderia ter dado se eu não tivesse errado, já fui até ao teu encontro, só para te puder ver a última vez e ir embora de consciência tranquila, sabendo que é isso que queres para ti, tendo a certeza sem certeza, que as tuas palavras combinam com a tua reação quando eu apareço. Confunde me a minha incerteza que não mexo contigo, que já não significo nada na tua vida ou até que não te faço falta, mas a minha parte dou por terminada, não me resta mais nada que possa fazer ou motivo algum que me faça permanecer.
Deixo te ir e acima de tudo quero que sejas feliz, se algum dia a saudade bater? Lembra te que estarei aqui. Independentemente do momento ou das voltas da vida.
Mas agora vou embora e não fica mais nada por dizer, fazer ou tentar.

Recuar no tempo e seguir em frente

Hoje dou por mim a querer recuar no tempo. Ao mesmo tempo a querer seguir em frente mas contigo a meu lado. Acaba por ser contraditório, mas não escondo o que sinto. Recuava e mudava o passado, tudo o que te fiz passar, sem pensar mas sem te querer magoar. Recuava para afastar quem não veio para acrescentar mas no fundo eu até me deixava levar porque a vida era outra, a cabeça estava mas o coração nem sempre. Não vou ser hipócrita e dizer que pensei em ti o tempo todo, estaria a mentir. Mas não te esqueci mesmo sendo fria, distante, completamente ausente eu não esqueci. Porque tu? Sempre estiveste, sempre quiseste estar. Foram tantas as chances perdidas, tantas palavras sentidas mas eu não soube valorizar. A culpa foi minha, apenas minha que te afastei tanto, que acabaste por ir, foste aos poucos e quando dei por mim, tu não estavas mais. E é aí, bem nesse ponto que a cabeça deita na almofada e pergunta por ti, chama por ti, pensa em ti. Mas tu não estás mais. A culpa foi minha.
Um dia tu esperas te por mim, no meio das minhas indecisões, falhas, em todas as vezes que te magoava e tu voltavas, hoje espero por ti, no meio dos teus silêncios, dúvidas e medos.
Hoje dou por mim a querer recuar no tempo. Ao mesmo tempo a querer seguir em frente mas contigo a meu lado.