E agora diz-me

O que faço às memórias que todos os dias me atormentam, as insónias que me perseguem noite após noite, ao sorriso que foi e teima em não voltar, às lágrimas que deixaste e insistem em ficar ? Diz-me ! O que faço a cada fotografia tua ou nossa,o que faço à voz que todas as noites me embalava e hoje em dia faz apenas eco na minha cabeça e não me deixa sossegada, o que faço à imagem do teu sorriso e ao som do teu riso que me faziam ganhar o dia e hoje tiram me a paz ? Diz-me ! Porque me iludis te durante tanto tempo, porque pornuncias te a palavra “amor” vezes sem conta sem sentires, porque planeas te um futuro comigo sem sequer me quereres no presente ? Diz-me ! Fizeste me sorrir vezes sem conta, sonhar noites inteiras, criar um mundo tão nosso, tão perfeito sabes ? Não, não sabes porque não sentiste. Fizeste me acreditar desde a primeira vez que chegaste a Portugal cada abraço, cada sorriso, cada beijo, cada papel naquela caixa, aquela carta, aquele anel, tudo isso para quê? Nada, tudo em vão. Mas porquê? Diz-me. Eu sei que o teu coração nunca me pertenceu, sempre esteve longe disso, eu sei mas pergunto te porquê? Porque brincas te tanto comigo e com aquilo que eu sentia por ti? Diz-me. Porque deixaste que eu me apaixonasse por ti se a tua intenção não era ficar ? O teu pensamento estava noutra pessoa, o teu coração está com outra pessoa, não te julgo por isso, porque de facto não escolhemos quem amamos mas condeno te por todo o falso amor que me deste, tu fizeste me acreditar, para no meio me abandonar. Não escolhi amar te desculpa! E agora diz-me, o que é para ti o amor?

P.S : que passem cinco, dez ou vinte anos neste mundo pequeno, se nos cruzarmos ? finge que nunca nos vimos, nunca nos tocamos, nunca sorrimos lado a lado, nunca fomos um “nós” ! Apresenta-te ali, naquele momento e eu decido se finjo ou não!

Contagem decrescente

Eu sei que em breve estarás aqui, a tão poucos minutos, precisamente a uns 20km de mim, tão perto é verdade mas eu quero-te longe, longe de mim como tens estado até ao dia de hoje, sim fica a saber que não, eu não te quero ver, mas conto os dias tal como tu. É, pareço idiota talvez me esteja a contradizer, mas é simplesmente isso, nao te quero ver e farei tudo para não me cruzar contigo. Não por medo ou por orgulho, simplesmente porque me fizeste criar em mim algo que nunca senti por ninguém. Eu quero distância de ti. Não quero o teu cheiro perto de mim. Eu quero distância de ti, nem a tua voz fará mais sentido no meu ouvido. Eu quero distância de ti e de tudo o que me faz lembrar que algum dia exististe na minha vida. O risco de te ver é grande eu sei, mas a barreira que criaste entre nós acredita que é muito maior e essa eu não derrubo. Se tu derrubares eu terei força e coragem de seguir em frente e sim ainda irei sorrir para ti porque lá no fundo ? Tenho pena de ti, muita até. Vou sorrir para ti, da mesma forma que sorriste quando me deixaste sem chão, vazia e completamente sem força. Mas tudo o que me fizeste, tudo o que me possas desejar, eu vou desejar-te não em dobro mas a triplicar, tu sabes que eu adoro o exagero. Se nos cruzarmos, será por acaso e nesse acaso ? Lembra-te, tu não me viste nem eu a ti. Contínuo em contagem decrescente e a torcer para não te ver. 

Vou embora só com bilhete de ida.

Eu tentei mais que um vez, eu dei voltas que não imaginei dar algum dia, eu perdi me de quem eu era e contei várias vezes até três enquanto eu sentia a cada segundo que me fugias por entre os dedos. Eu chorei noites inteiras a espera de um sinal teu, de uma mensagem, de uma chamada, algo que fosse teu, tinha que ser teu. Passei noites em branco a imaginar o nosso futuro, aquele que planeamos vezes sem conta mas que só eu o sentia lembraste ? Uma casa, um cão e os dois putos. É…eu imaginava tudo isso e o nosso dia a dia, uma vida inteira a teu lado mas…que ilusão minha, que desilusão que me ofereceste, que amargura me deixaste e que tristeza afundaste em mim. Não exagero é essa a realidade em que me deixaste. Tu foste, sem te importares minimamente com o que eu sentia, como eu estava, sem querer saber de nada e eu ? Tive que aprender tudo de novo… é como se tivesse nascido naquele exacto momento, mas sem chão, com uma pedra no coração, com a cabeça cheia de nada. E nesse momento ? Não é qualquer carinho que te levanta, não é qualquer abraço que te faz sentir proteção, não é qualquer beijo que te faz esquecer por momentos, não é nada de nada que te faz esquecer aquela pessoa, porque aquela pessoa ? É aquela pessoa, por mais que “morras” e voltes a renascer vezes sem conta. São marcas que ficam. Eu voltaria atrás no tempo para não te ter conhecido. E por incrível que pareça voltaria duas vezes atrás no tempo. Eu já conhecia o erro e por ironia do destino voltei a cair nele. Mas a primeira vez é experiência, a segunda ? Todos nós merecemos uma segunda chance, somos humanos todos falhamos e temos esse direito sem dúvida, mas a terceira vez ? Já só cai quem quer. E eu já me culpo tanto da segunda vez, por isso ? Vou embora só com bilhete de ida.

Era..

Era (x) que dava cor ao meu mundo, era (x) que tirava o melhor de mim e arrancava os meus melhores sorrisos , (x) fazia os meus dias passarem num ápice e todo o cansaço parecia amenizar ao chegar a casa e sentir por perto toda aquela magia. A madrugada chegava e o passar das horas não parecia nos incomodar. Eu sentia me protegida, amada, aconchegada. Sentia…não posso negar. Mas, (x) foi a minha maior droga, eu consumi antes e gostei mas fui ao fundo quando fiquei sem. Doeu, mas o tempo passou e pensei me ter curado daquele vício, daquele sabor, daquele cheiro, daquela adrenalina de tudo o que lhe envolvia, mas não…Após um tempo, sem querer e sem intenção eu já estava envolvida naquele vício, sim mais uma vez, que mal tinha ? E sim de novo, porque não ? (Pensava eu, de forma mais inocente do que já era.) Não me faria mal mas.. afinal não me tinha curado e essa droga ? Desta vez veio mais forte, era mais intensa, tinha um sabor ainda melhor do que tinha deixado antes. Eu não queria acreditar que poderia ser possível, se eu tinha sido viciada ? Tornei me tóxicomaniaca, é uma verdade. Mas, nada tinha mudado. Voltei a ser protagonista da mesma novela, mas por ironia do destino desta vez acabei por sair vilã da história, mas tirando a parte que mesmo com pausas, durou mais uns tempos ? Confesso que mesmo assim tive um dejavu do segundo capítulo da primeira parte da cena, mas sem cenário. E é aí que me cai o tecto, o chão e as cortinas abrem e todos os aplausos ? São para ti. Todos eles para ti. Porque pela segunda vez tu conseguiste, por isso mais que eu, tu mereces. Mas, depois das noites mal dormidas, das insónias, a falta de amor que deixaste e o vazio que provocaste ? Preciso te agradecer, ainda não estou cem por cento curada é uma realidade, mas tenho a certeza em mim que é droga que não voltarei a consumir, agarrar, cheirar muito menos ter perto de mim, não por medo de cair na tentação e voltar a depender, mas… porque ganhei ódio por me teres destruído!

Rainha

Falar de ti é tão difícil mas tão mágico ao mesmo tempo… Difícil porque dói, são catorze anos sem ti mas mágico… tão mágico porque és tu ! Tu sabes que agradeço todas as noites, mas nunca é demais, obrigada minha rainha por teres sido quem foste, pelo que passaste, pelo que lutaste, pela avó, amiga, companheira e mãe que foste. Palavras não chegam, sei bem que não e sem sermos nós que dividimos aquele tecto contigo, nunca ninguém irá sonhar ou sequer imaginar tudo aquilo que foste cá em baixo, a guerreira que foste e olha…eu sei que ainda es ! Hoje, completavas 82 anos, já viste ?  Minha velhinha, hoje seria mais um daqueles dias em que te ia ligar, em que ia vibrar só de ouvir a tua voz, minha santa vó e infelizmente não posso, dói tanto…mas eu prometo ler para ti uma, duas e três vezes, as vezes que forem necessárias até que sinta que chegou até ti. Parabéns meu anjo, minha estrela guia, minha vó, minha mãe.

3Novembro2017